Fale conosco pelo WhatsApp

Álcool e Gordura no Fígado: Entenda essa relação

Mulher com calça baixa e barriga aparecendo enquanto segunda garrafa de vidro
Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)
Por: Publicado em 23/06/2022

O consumo irresponsável de bebidas alcoólicas pode acarretar acúmulo de gordura no fígado e agravar problemas de saúde 

A relação entre álcool e a gordura no fígado é bastante conhecida, já que muitas pessoas associam problemas hepáticos, como a cirrose, ao consumo excessivo e desregrado de bebidas alcoólicas ao longo da vida.

O acúmulo de gordura neste órgão é frequentemente associado a maus hábitos, que incluem, além do excesso de álcool, uma alimentação rica em gordura trans, açúcar e alimentos ultraprocessados. No entanto, cientistas têm descoberto que a relação entre álcool e a gordura no fígado não é a única capaz de trazer patologias hepáticas.

Até mesmo outras bebidas, sem teor alcoólico, podem comprometer a saúde do fígado, predispondo o órgão a doenças. Um estudo divulgado pelo periódico médico Clinical Nutrition expôs algumas comparações entre grupos de bebidas frequentemente ingeridas pela população, como forma de compreender suas funções no avanço e no controle de acúmulo de gordura no fígado.

As bebidas analisadas eram diversificadas, incluindo as adoçadas com açúcar (como refrigerantes e sucos) e as que são consumidas quentes, como café e chá. Além disso, o estudo também reforçou a relação entre o álcool e a gordura no fígado.

Bebidas sem álcool e a gordura no fígado

A partir da citada pesquisa, os estudiosos conseguiram entender que líquidos sem álcool e a gordura no fígado podem ter uma intrínseca relação, já que as bebidas ricas em açúcar também causam um aumento significativo na carga metabólica do organismo dos pacientes.

Assim sendo, refrigerantes e sucos adoçados podem também trazer problemas ao organismo, aumentando o de risco de acúmulo de gordura no fígado. Essas são as chamadas doenças hepáticas gordurosas não alcoólicas.

Quando excessivo, o açúcar precisa ser armazenado, e isso faz com que o fígado acabe transformando essa glicose em gordura, como forma de facilitar o armazenamento da substância. Assim, o consumo desregrado de doce em bebidas sem álcool e a gordura no fígado têm relação.

No entanto, a pesquisa também relatou que cafés e chás apresentam um efeito inverso ao das bebidas açucaradas, já que eles diminuem o risco de problemas hepáticos, desde que não sejam incrementados com qualquer tipo de açúcar, mel ou adoçante.

7 Principais sintomas de gordura no fígado

A relação entre o açúcar, o álcool e a gordura no fígado pode ser uma perigosa vilã para muitos pacientes. Isso porque é muito comum que esse acúmulo de tecido adiposo no órgão se converta em problemas críticos para a saúde do paciente, como a esteato-hepatite, cirrose hepática e câncer de fígado.

Este distúrbio é caracterizado pelo excesso de gordura no interior das células do fígado — chamadas de hepatócitos. É uma alteração silenciosa, isto é, não causas sintomas. Os principais sintomas de que este órgão não está funcionando como deveria são:

  1. Fadiga crônica;
  2. Dor no abdômen;
  3. Inchaço da barriga;
  4. Falta repentina de apetite;
  5. Coceira e irritabilidade na pele;
  6. Dores de cabeça frequentes;
  7. Fezes com cor esbranquiçada.

Pacientes que evoluem para a forma de esteato-hepatite ou cirrose podem sofrer com perda repentina de peso, fraqueza, dores no canto superior direito do abdômen, bem como pele amarelada, inchaço das pernas, tornozelos, pés ou barriga.

Aliás, esta última doença é uma das mais perigosas entre as consequências da relação entre álcool e a gordura no fígado.

Ao perceber os sintomas, é preciso buscar orientação médica o mais rapidamente possível. Muitas vezes, simples mudanças no estilo de vida são suficientes para ajudar na reversão do problema, tais como a limitação do consumo de bebidas alcoólica ou excessivamente adoçadas.

A médica também pode indicar a prática regular de uma atividade física, como corridas ou caminhada, e uma readequação alimentar para uma dieta que seja mais nutricionalmente rica, aumentando o consumo de frutas, verduras, legumes, carnes magras, ovos, cogumelos, raízes e sementes, por exemplo. A perda de peso está diretamente associada à redução do acúmulo de gordura no fígado.

Em algumas situações, quando mudanças no estilo de vida não são suficientes para resolver o problema, a especialista também pode receitar alguns medicamentos que contribuam para combater o problema.

Se você deseja entender mais sobre a relação entre álcool e a gordura no fígado, marque agora mesmo uma consulta com a Dra. Mirella Monteiro.

Fontes:

Sociedade Brasileira de Hepatologia.

Dra. Mirella Monteiro.

 

Ao clicar em enviar os dados, você concorda com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE